A maioria das mulheres que joga online já sofreram algum tipo de assédio, recebendo mensagens de xingamento ou até mesmo mensagens improprias.

Recentemente, uma menina de 10 anos sofreu assédio no jogo Overwatch ao testar a demo, segundo os relatos do pai – que o comprará para a filha.

Depois de algum tempo jogando, o pai percebeu que a filha estava desmotivada, e então resolveu investigar; descobriu que ela andava recebendo mensagens com palavrões e pedidos para que enviasse fotos suas.

Por fim, o pai decidiu entrar no grupo do jogo no Facebook e relatar o que estava acontecendo com a filha na PSN:

assedio-contra-mulheres-nos-games

Foto: DIVULGAÇÃO

 

O pedido do pai deu certo, e ele agradeceu no grupo:

 

assedio-contra-mulheres-nos-games

Foto: DIVULGAÇÃO

Esse não é apenas um caso isolado sobre assédio, todo mundo sabe que o número de mulheres jogando só cresce com o passar do tempo e eu como mulher e gamer, já recebi vários tipos de mensagens:

assedio-contra-mulheres-nos-games

Foto: DIVULGAÇÃO

assedio-contra-mulheres-nos-games

Foto: DIVULGAÇÃO

assedio-contra-mulheres-nos-games

Foto: DIVULGAÇÃO

assedio-contra-mulheres-nos-games

Foto: DIVULGAÇÃO

Imagens acima retirada o App da Xbox no computador.

Ao fazer algumas pesquisas e falar com mulheres gamers, perguntei se alguma delas já sofreu assedio ou desrespeito jogando; as respostas foram unanimes:

Quando falei com as outras meninas ficou claro que normalmente quem faz essas coisas são meninos, crianças, ou jovens sem nenhum espírito esportivo.

Todas as gamers já sofreram assédio

Pesquisas feitas em 2016, pelo Universidade Estadual de Ohio, nos EUA, mostraram que 100% das mulheres gamers que responderam ao questionário, já sofreram algum tipo de assédio.

O assédio é tanto para homens quanto para mulheres, mas é predominante em mulheres. As principais agressões que são citadas na pesquisa são insultos sexistas, piadas de estupros e pedidos de favores sexuais.

Agora não como colunista, e sim uma gamer, eu darei minha opinião sobre o assunto. Essas pessoas, não sabem perder um jogo e ainda, quando perdem para uma mulher, é um absurdo em suas visões; isso motiva o ódio que, na maioria das vezes, os leva a mandar mensagens agressivas e machistas, como: “Vai lavar a louça”.

Abuso continuo

As pessoas não mandam apenas mensagens de texto, mas de voz também, onde, pelo tom , dá para perceber que são crianças. A pergunta que fica: “onde está o pai dessa criatura que deixa ele falar todas essas coisas?”. Talvez um pouco da culpa de alguns desses assédios seja a falta de supervisão por parte dos responsáveis, que não se envolvem na vida dos filhos a ponto de fiscalizar se o que fazem na internet é correto. Você nunca sabe quem está por trás de cada gamertag , pode ser criança, jovem, homem ou mulher; ninguém é obrigado a ler baixarias na rede. Fica o apelo.

Eu, com 22 anos, fico abismada com as coisas que me mandam, imagina um pai lendo o que é enviado para seu filho; não só isso, mas imagine você no futuro com uma criança sobre seus cuidados, gostaria que as pessoas mandassem recados agressivos para eles? Eu acho que não.

Jogadores, por favor, tenham mais respeito ao próximo; pais, observem o que seus filhos fazem e repreendam-os.

Sobre quem escreve

Estudante de Sistemas para Internet da FATEC Carapicuíba, 21 anos, apaixonada por vídeo game, tecnologia e internet.

Posts Relacionados