Rolou entre os dias 06 e 07/05 a CryptoRave, evento de criptografia e segurança, no Espaço Cultural Caio Graco em São Paulo e, como não poderíamos deixar de lado, a galera do Ctrl Zeta foi lá para acompanhar.

Origem

A CryptoRave é inspirada na CryptoParty, evento que começou em Agosto de 2012 em Berlim e já acontece praticamente no mundo todo.
A edição de 2016 realizada em São Paulo foi financiada por meio do Catarse, onde conseguiu arrecadar R$ 51.934 dos R$ 40.000 propostos. Veja o vídeo promocional:

E realmente vencemos ♥

A CryptoRave

Banner da CryptoRave 2016 com as letras iniciais C e R formadas por números 0 e 1.

CryptoRave 2016 – 24 Horas pela Privacidade e Liberdade na Rede

A CryptoRave foi, ao mesmo tempo, simples, pesada e inesquecível, pois cumpriu exatamente o que propôs: ser uma festa com muita informação, e informação de qualidade com muita festa.

Dividido em seis espaços: Aaron Swartz, Ada Lovelace, Alan Turing, Chelsea Manning, Edward Snowden e Ian Murdock, o evento proporcionou palestras técnicas sobre como se comunicar de forma criptografada, como e por que usar o Tor Browser e outras mais humanas como o Keynote, sobre CPI dos Cibercrimes e o Marco Civil, além de uma roda de conversa sobre a visibilidade sobre os corpos virtuais femininos. Papos que, você talvez não escute nem mesmo na roda daqueles amigos mais cabeçudos da faculdade.

Teve também seis horas de muita música, pois o que é uma rave sem um som legal? Das 23h do dia 06 até as 05h do dia 07/05 os DJ’s Cigarra e Craca, Pita Uchôa, AfroHooligans, Retrigger e SWAAAG, cuidaram de todo o som, para não deixar a galera desanimar durante a madrugada.

Banner informando: CryptoRave Espaço Chelsea Manning.

CryptoRave 2016 – Espaço Chelsea Manning

O Espaço Cultural São Paulo conseguiu abranger bem a necessidade e a equipe da organização era atenciosa, dava pra sentir que todos estavam ali com muito carinho e amor pela causa, pois ficar com um sorriso sincero e ser solícito andando pra lá e pra cá o dia todo, com pouco – ou nenhum – descanso não é pra qualquer um.

CryptoRave: Imagem do personagem hacker chamado Warlock em sua "base secreta" no filme Duro de Matar 4.0

Warlock, hacker que vive com a mãe.

O único ponto negativo, em minha visão, foi a baixa adesão do público não técnico, pois os temas afetam a vida de todos aqueles que utilizam a internet como um meio, seja qual for o fim. Somos monitorados e isso não é papo de maníaco conspirador ou fanboy de Mr. Robot.

CryptoRave: Símbolo do grupo hacker fsociety na série Mr. Robot.

Grupo hacker fsociety da série Mr. Robot.

É uma realidade que fere nossa liberdade de uso da internet, pois quando você está lá mandando aquele nude xaveco furado para a gata, ou quando está tratando sobre algum tema sério e sigiloso por e-mail, a última coisa que deseja é que outra pessoa veja o conteúdo da mensagem, então vamos nos engajar sobre estes assuntos, não é difícil compreender e existe uma comunidade de braços abertos para ajudar nos baby steps.

Não perca os próximos posts, pois haverá um resumo das palestras e contatos dos palestrantes para ficar – assim como eu fiquei – apaixonado por criptografia.

Leave a Reply

Your email address will not be published.