Henrique Coelho conta como é ter uma boa ideia de negócio durante a CPBR 2018

As principais palestras apresentadas na Campus Party Brasil 2018 foram sobre empreendedorismo, e quem esteve presente foi Henrique Coelho, o jovem empreendedor que criou duas startups de sucesso e está criando a sua terceira empresa.As principais palestras apresentadas na Campus Party Brasil 2018 foi sobre empreendedorismo, e quem esteve presente foi Henrique Coelho, o jovem empreendedor que criou duas startups de sucesso e está criando a sua terceira empresa.

Ele contou um pouco sobre sua história e trajetória.

Quando jovem, Henrique conheceu Flávio Augusto pelo Twitter e teve a oportunidade de ser contratado para trabalhar na área comercial da Wise Up. Quando Flávio resolveu vender a empresa, Henrique decidiu que era a hora de criar a sua própria startup.

Foi então que aos 21 anos foi um dos fundadores da Pagar-me, startup especializada em pagamentos online. Três anos depois começou a investir em um novo negócio, a Confianet, uma certificadora de idoneidade para e-commerces.

Atualmente ele já está começando o seu terceiro negócio, com a Casuall, a primeira seguradora 100% digital do Brasil, startup que está sendo criada dentro do Cubo, do Itaú.

Henrique Coelho, o Jovem Empreendedor Brasileiro

As principais palestras apresentadas na Campus Party Brasil 2018 foi sobre empreendedorismo, e quem esteve presente foi Henrique Coelho, o jovem empreendedor que criou duas startups de sucesso e está criando a sua terceira empresa.Filho de empresário, Henrique Coelho nunca foi incentivado pelos seus pais a também empreender, pelo contrário, sempre quiseram que seu filho se formasse na faculdade e conseguisse um emprego estável.

Mas isso nunca foi o desejo de Henrique. Ao conhecer Flávio Augusto pelo Twitter e por meio de uma conversa no Skype, foi convidado para trabalhar em uma das escolas de Flávio, o convite é claro, foi aceito.

Fazia 1 mês que ele estava cursando Relações Internacionais na Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, onde morava. Porém, a escola ficava em São Paulo, foi ai que ele abandonou tudo e se mudou para a capital paulista.

Em São Paulo, Henrique dividia um apartamento de três quartos com mais seis pessoas. Ele conta que a única coisa que tinha na época era uma colchão de ar.

Trabalhando na Wise Up, achava que iria vender franquias da escola, mas estava enganado, começou vendendo curso de inglês na rua, andando de cima a baixo na cidade que não conhecia.

Mas o jovem era ambicioso e em 3 meses foi promovido a gerente de vendas. Logo após a venda da Wise Up, resolveu deixar a empresa, já que estava la por causa do Flávio Augusto. Foi aí que percebeu que era a hora de abrir o seu próprio negócio.

Startups de Sucesso

Pelo mesmo Twitter, Henrique conheceu Pedro Franceschi e Henrique Dubugras, que tinham 16 anos na época e eram programadores. Os dois jovens tinham a ideia de criar uma startup como a Stripe, de pagamentos online nos Estados Unidos.

Como os eles precisavam de alguém de administração e vendas, convidaram Henrique para fazer parte do projeto e foi assim que, aos 22 anos ele participou da fundação do Pagar-me.

A empresa de pagamentos online deu muito sucesso, chegando a receber investimento de mais de 1 milhão de reais.

Logo após sair da Pagar-me e com mais experiência em empreendimentos, Henrique Coelho e mais um sócio, Thiago Rodrigues, criaram a Confianet, empresa voltada à certificação de idoneidade de e-commerces.

A startup que também chegou a receber mais de 1 milhão em investimento, tem o intuito de comprovar aos clientes qualidade dos sites através de um selo.

Além disso, garante reembolso aos compradores, em casos que um site certificado não entregue corretamente os seus produtos.

Como surgiu a ideia

A ideia surgiu da experiência que Henrique teve com as compras digitais enquanto estava na Pagar-me. Naquela época, percebeu que algo do tipo era o que faltava no mercado brasileiro.

Atualmente ele está em um novo negócio, a Casuall, uma startup com o objetivo de ser uma seguradora digital, a primeira no país.

Hoje em dia o mercado tradicional das seguradoras existem muitos regulamentos, fazendo com que a área seja muito burocrática.

A empresa começará vendendo seguros específicos, como objetos pessoais. Em sua plataforma os clientes irão cadastrar seus produtos, pagando uma mensalidade de baixo valor.

Parte desta mensalidade será para a Casuall, enquanto o restante será para um fundo coletivo para pagar os segurados em casos de sinistro.

A Casuall ainda não está funcionando, mas Henrique promete que até o fim do ano já estejam atendendo.

E aí? Quer saber mais como é ser um empreendedor de sucesso? Assiste ai a palestra dele completa:

Caio Lourenço

Estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba