É vergonhoso alguns profissionais que ficam em casa.

Olá amigos do ZETA, tudo bem com vocês? Essa pandemia deixou todo mundo muito diferente, não é mesmo?

Eu , por exemplo, já estou a mais de 60 dias trabalhando de casa e continuo dando consultoria a empresas, fazendo processos de Coaching, participando de Lives, ligando para clientes, prospectando, ou seja, criei uma rotina ótima de trabalho. Entretanto (infelizmente), nem todo mundo consegue isso! E ainda existem pessoas que pensam que estão enganando seus superiores!

A covid-19 está exigindo mais de todo mundo, seja você empresário ou empregado. Os donos de empresas estão tendo que reinventar seus negócios para não gerar demissões em massa, contribuindo mais ainda para o desastre da economia que assola nosso país e o mundo.

A maioria dos artigos e textos que estou lendo sobre comportamento no trabalho têm criticado o vácuo de liderança que vivenciamos nesses novos tempos. Porém, não está nada fácil ser empresário nesse momento. Este artigo vem em defesa dos líderes! Se você é aquele funcionário que está acostumado a reclamar do chefe e da empresa, aí vai um chacoalhão forte para você!

Observando comportamentos

Sabe pessoal, eu acho vergonhoso como alguns profissionais têm se comportado com as demandas de home office em período de isolamento. Inclusive, assim como você, eu pensava que a grande maioria das pessoas tinha o tal do bom senso para se portar como se espera durante o período de trabalho, porém, infelizmente, quem se comporta mal é que acha que tem bom senso e julga dizendo que o outro é que não tem.

Eu acho mesmo que as empresas voltaram a ser um grande Jardim da Infância!

Enquanto os líderes estão pensando em salvar o negócio, se “descabelando” para arrumar algo novo e com rapidez para salvar os empregos de seus funcionários, percebo uma certa “juniorização” em todos os níveis. E isso não tem nada a ver com a idade, mas sim com a forma de pensar.

Já ouvi vários funcionários falarem coisas como: “Eu não sou pago para fazer essa tarefa”, “Meu chefe está exigindo demais!”, “A empresa vai repor esses feriados que estou em casa?”, “Essa tarefa não está no meu job description!” e por aí vai!

E agora?

Gente, está na hora de crescer! O momento é crítico e vai requerer mudança de todo mundo. O mundo dos negócios é lugar para adultos, e a competência crucial imediata que interessa é aquele funcionário “hands on”, mais popularmente conhecido como “pau para toda obra”.

Vou ser bem direto com todos colaboradores de qualquer empresa: podem rasgar sua descrição de tarefas atual. Tudo mudou! Você será cobrado e avaliado somente por seus resultados, e não mais pela carga horária de trabalho. Está na hora de acordar para a nova realidade.

O home office trouxe a liberdade para seus horários, você não passará o crachá ou colocará o dedo para controlar seu período, muito menos vai desperdiçar seu tempo, porque tinha que ficar no mínimo oito horas preso no trabalho. Isso é excelente, muitos até pediam. Porém, será que todos estão prontos para a responsabilidade que envolve trabalho por resultado?

A decisão é sua!

Vai depender somente de você, terá que ser super organizado. Trabalhar por resultado é muito mais complicado do que você imagina, porque as metas e prazos devem ser bem definidos para que as coisas, de fato, aconteçam. Não dá para dizer que trabalha por resultado e não entregar aquela tarefa dizendo que “foi por falta de tempo” ou “não deu para fazer”. Vai precisar mais responsabilidade e, acima de tudo, disciplina!

Seu superior não vai pegar na sua mão para te ensinar a fazer um novo trabalho. E tem mais: não sei se é efeito colateral da pandemia, mas é crescente o número de profissionais que confundem a figura do superior imediato com a de um pai, esperando dele uma compreensão superprotetora e depositando nele a total responsabilidade para lhes dizer o que devem fazer no trabalho. É brincadeira quanto desses colaboradores existem…

Não vai ser possível se você ficar esperando ordens para começar a fazer algo, sinto lhe informar, mas terá sérios problemas na sua trajetória profissional. Então seja mais proativo e pense como dono do negócio. Ajude seu superior, seu líder. Ele certamente está precisando de suas novas ideias.

Portanto, pensar e agir como dono do negócio será o novo formato das relações de trabalho? Ainda não tenho essa resposta. O que eu sei e vivenciei é que comportamento infantil nunca coube nas empresas.

Sei quase nada dos impactos de toda essa mudança no trabalho com a covid-19, mas uma coisa é certa e vai prevalecer: dentro das empresas, o que manda é a competência, e você deve ter noção da responsabilidade que seu papel demanda. Como Darwin reproduziu: “Vence não o mais forte, e sim aquele que melhor se adapta”.

Mas e você? Está ligado nas adaptações do seu trabalho?

Pense nisso!!!

About The Author

Colunista

Neco Ribeiro é Coach formado pela ACI – Academia de Coaching Integrativo, chancelado pela ALUBRAT – Associação Luso Brasileira de Transpessoal. Coordenador e Professor de Coaching no IBRESP – Instituto Brasileiro de estudos e Pesquisa. Professor Universitário na Pós-UNG – Universidade de Guarulhos, professor no Sindicato dos bancários do ABC. Autor do livro “Ser Positivo“, colunista no site Zeta e Palestrante em diversas áreas. Já atendeu mais de 300 clientes em processos de Coaching e obteve resultados surpreendentes. Autor do Projeto “Curar sua vida é mais simples do que você Pensa!” – Com aceitação de estudos dos Modelos mentais!

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.