Em uma parceria entre a Campus Party e o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) foi realizado o The Big Hackathon.

Uma maratona de desenvolvimento cuja meta principal era buscar soluções para os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) que são propostos pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Durante 100 horas foram desenvolvidos 51 projetos com cerca de 1300 participantes divididos em 5 áreas: Prosperidade, Paz, Parcerias, Pessoas e Planeta.

O que é o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento?

Criado em 1965 por meio do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas, o PNUD tem como objetivo buscar soluções para combater à pobreza e a desigualdade e promover o crescimento econômico e humano da população mundial.

Presente em mais de 170 países, o principal objetivo do PNUD no momento é garantir a implementação da Agenda 2030 e dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

No Brasil o PNUD vem trabalhando no desenvolvimento de projeto voltados à inovação, ciência e tecnologia, entre outros, como forma de combater  a pobreza e promover a conservação ambiental do nosso país.

The Big Hackathon, uma parceria entre Campus Party e a ONU

O que é um Hackathon?

Hackathon nada mais é do que uma maratona de programação, seu termo vem da combinação de duas palavras: Hack e Marathon.

O significado de Hack é programar de forma excepcional, enquanto Marathon significa maratona.

É um evento que tem como objetivo reunir diversos profissionais de TI para desenvolverem um software que seja uma solução a um tema específico.

A maratona pode ter duração de horas ou até mesmo dias e os participantes concorrem a diversas premiações, como foi o caso de muitos Hackathons realizados na Campus Party.

O que foi o The Big Hackathon para os organizadores?

Haroldo Machado Filho, assessor sênior do PNUD e Tônico Novaes, diretor geral da Campus Brasil, se pronunciaram sobre o que foi esse desafio na visão deles.

The Big Hackathon, uma parceria entre Campus Party e a ONUSegundo Haroldo,

O chamado da Campus Party é para que os jovens sintam o futuro. Com a experiência da maratona The Big Hackathon, o chamado foi para que os jovens também se empoderassem do seu presente para que possamos todos construir um futuro melhor. Unindo criatividade, tecnologia e inovação, foram formuladas soluções práticas para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o que demonstra que um mundo mais justo e inclusivo em 2030 não é apenas desejável mas factível.

The Big Hackathon, uma parceria entre Campus Party e a ONUTônico finaliza afirmando que

O engajamento das pessoas e as ideias que surgiram com o The Big Hackathon nos impressionaram muito e nos ajudou a ver que estamos no caminho certo ao aproximar mundos que teoricamente são tão distantes como o do Terceiro Setor e o da tecnologia. Esperamos que os projetos que surgiram na CPBR10 possam ganhar escala e ajudar a tornar o mundo mais justo e sustentável.

 

Empresas parceiras e mentores dos times

The Big Hackathon, uma parceria entre Campus Party e a ONUAlém do apoio do pessoal da Campus Party e da ONU na organização, os participantes também contaram com a ajuda de algumas empresas.

Entre as principais empresas envolvidas estão nomes bem conhecidos como o Sebrae, Otima, Fini, Gillette, Ford, OLX, Cabify, Domino’s Pizza e L’Oréal.

Essas empresas ajudaram os participantes de várias formas, como patrocínio, mentoria ou até mesmo premiações.

Foram cerca de 300 mentores e voluntários trabalhando o dia inteiro para tirar as dúvidas dos participantes sobre o desafio ou para avaliar o que estava sendo feito.

Além das empresas e mentores, estiveram envolvidas no evento 17 comunidades, 17 universidades e 25 juízes, que ficaram responsáveis pela avaliação de cada projeto e apresentação.

Dos 51 projetos que foram submetidos, 20 foram condecorados por estarem em alto nível e dentre eles, houve 3 equipes vencedoras.

Os projetos vencedores…

Para a etapa final foram escolhidos 4 projetos por área para compor os 20 finalistas e mais 3 projetos vencedores, sendo que eles atendiam mais que um ODS.

Os 3 vencedores foram os projetos Best B4, Health 4U e Teto de Verde.

Vendendo alimentos antes do seu vencimento

O Best B4 é um WebApp que busca solucionar o problema de perdas de alimentos vencidos em supermercados.

Tem como objetivo deixar os consumidores informados sobre produtos de qualidade e que estão com a data de validade próxima. Assim o consumidor pagará um valor mais baixo pelo produto.

Isso traz benefícios para todo mundo.

Ajuda o mercado, que não jogará produtos no lixo por estarem vencidos, além de que conseguirão ter um maior controle e poderão vende-los antes do prazo de vencimento.

Ajuda a população, que pagará preços mais baixos, visto que as empresas tendem a cobrar em cima dos produtos o custo das perdas.

Além de beneficiar o governo, pois quando uma empresa joga um produto no lixo, o governo não recebe imposto sobre a venda.

E o mais importante, ajuda o meio ambiente, já que danos ambientais ocorrem durante toda a cadeia produtiva e principalmente no consumo inconsciente.

É possível melhorar  o sistema público de saúde no Brasil?

O Health4U é um aplicativo de colaboração médica e atendimento especializado de saúde para suporte ao sistema público de saúde.

Visto que o sistema público de saúde no Brasil ainda é muito precário e que as pessoas passam até meses na fila de espera, a plataforma vem com o objetivo de conectar os médicos aos pacientes.

Como?

No Health4U médicos voluntários se cadastram para realizar consultas gratuitamente, seja em seus escritórios ou nas residências dos pacientes.

Dessa forma agiliza tanto o atendimento de casos simples quanto de pacientes em estado grave e que estão esperando há um tempo na fila.

Os criadores do aplicativo buscam parcerias com hospitais e comércios, realizando planos de descontos para médicos que tiverem cadastro no aplicativo.

Um projeto, 14 objetivos propostos…

Já o projeto vencedor do The Big Hackathon, o Teto de Verde, conseguiu atingir 14 objetivos propostos diretamente ou indiretamente.

A proposta do projeto é oferecer teto verde construído com hortas orgânicas em ambientes corporativos.

O objetivo deles é incentivar o consumo de produtos orgânicos, além de replicar o projeto: a cada horta vendida, outra idêntica será doada a um espaço escolhido pelo cliente.

O Teto de Verde ainda trabalha envolvendo outros projetos sociais, como cooperativas de catadores de lixo reciclável, grupos de agricultura familiar e também com a contratação de mulheres refugiadas para trabalharem na manutenção dos espaços orgânicos.

Gostou dos projetos? É possível visualizar os outros projetos das 51 equipes aqui pelo Hackdash, onde foram compartilhados com os mentores e organizadores do desafio.

Ano que vem tem mais, o que acham de montarmos uma equipe?

Sobre quem escreve

Estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba

Posts Relacionados