Muitos de nós temos aquela sensação de nostalgia quando vemos algo que marcou a nossa infância, seja através de um filme de sessão da tarde, um brinquedo ou até mesmo um livro ou gibi que demos os primeiros passos para novos mundos. E Como todo brasileiro, temos um lugar especial para a Turma da Mônica!

A criação de Mauricio de Sousa pendura até hoje e continua marcando presença no coração do público e sempre se reinventando. Desde a iniciativa dos quadrinhos até a Graphic MSP, a turma do limoeiro retrata temas como separação, racismo, amizades e entre outros.

Diante de tanta diversidade é impossível não se identificar com uma história voltada para o público mais infantil. E agora esses personagens estão nas telas do Cinema.

Cartaz do Filme

O filme da Turma da Mônica em live action, adaptando a famosa Graphic Novel dos irmãos Lu Cafaggi e Victor Cafaggi, conta a história de Cebolinha, tendo que lidar com o sumiço do seu cachorrinho, o Floquinho. Então para resolver esse mistério, ele se junta à Mônica, Cascão e Magali para resgatar o seu precioso cão.

Muitas dúvidas pairavam sobre o filme, principalmente se a Turma do Limoeiro teria força de levar o grande público às salas de Cinema. A resposta fica clara a partir dos primeiros minutos do filme.

Uma aventura com um gosto de aventura

O diretor Daniel Rezende (Bingo: O Rei das Manhãs) acertou em cheio com a escalação do quarteto de protagonistas: Kevin Vechiatto, como Cebolinha, traz a principal característica do personagem de um jeito muito natural. Giulia Benite faz uma Mônica com toques de coragem e bravura ao mesmo tempo traz uma carga emocional nunca vista antes, tornado uma Mônica real, Laura Rauseo rouba as cena com a sua expressiva e faminta Magali, trazendo cenas inusitadas e divertidas e Gabriel Moreira como Cascão, carrega para si fazer o personagem mais icônico da turma, seu Cascão tem simpatia, carisma e faz toda sutileza para dá vida ao personagem . E o mais importante é as relações entre os personagens, que faz acreditar que a turma é real enchendo os olhos de emoção.

Outro acerto da trama é a criação do bairro do Limoeiro como um bairro do interior da década de 50, mas ao mesmo tempo parecendo atual, como as historias do quadrinho.

E justamente essa estética de quadrinhos que encanta desde do primeiro frame, o diretor traz planos longos, trazendo uma historia em quadrinhos pra telas literalmente.

A aventura infanto-juvenil não é somente uma homenagem as histórias de Mauricio de Sousa, mas uma homenagem aos clássicos desse gênero, como Goonies, possuindo muito humor, ação, drama e momentos para reflexões, que é o grande acerto do roteiro conduzindo o espectador a pensar no significado da amizade, com algumas mudanças em relação ao material original, como adição do louvável Louco, personagem vivido por Rodrigo Santoro, trazendo um Louco lúdico e inesquecível.

Considerações Finais

Turma da Mônica Laços prova que o Brasil tem muitas histórias pra contar, marcando o cinema Nacional como uma produção com uma exemplar de técnica, carisma do inicio ao fim. É de encher os olhos durante cada segundo do filme, testemunhar esse mundo criado por Mauricio de Sousa cheio de vida e fantasia, fazendo esperar por novas histórias, mas não somente nos quadrinhos mas por novas sequencias de vez nos cinemas.

Sobre quem escreve

Desenvolvedor, Desenhista e Escritor nas horas vagas! Apaixonado por literatura, quadrinhos, mangás, animações e cinema clássico.Ouvinte do Chamado de Cthulhu e Futuro Soberano da Latvéria!!

Posts Relacionados